12 novembro, 2013

300h em slowfood (dia 30)

O famoso arroz negro (quase um risoto, de lula)

Sol durante o dia e 6 clientes no almoço. Apesar de não comer carne, achei interessante o esmero que é preparada a carne para o carpaccio: limpar a parte mais nobre e macia da carne; triturar folhas de louro secas e envolver a carne com sal, pimenta negra e louro triturado; enrolar em uma gase e manter na geladeira (bem fria) por 24h. Depois mantê-la no congelador e cortar fatias fínissimas no momento de servir. Evitar o máximo deixá-lo fora da geladeira, pois carne crua e temperaturas acima dos 8º é ambiente propício para a proliferação de bactérias. 
Eu não sei porque o Cozinheiro não experimenta os risotos, ele sempre me chama para provar se falta sal. Mas eu adoro essa tarefa, pois aproveito para dar uma boa garfada, pois é delicioso!

Pela noite, chuva. Cheguei um pouco antes de todos e enquanto preparava a cozinha, ouvi uns barulhos estranhos vindo do armazém. "Não, não é o rato e nem o pessoal chegando" pensei. Fui nas pontas dos pés pelos corredores (droga, esqueci de acender as luzes), "Hola, quien puede me firmar esto?" disse aquele lindo alto, loiro de olhos azuis e de traços germânicos. Já desarmada não parava de pensar "Deuso! de onde você veio?" E respondi donde? Ele sorriu e me mostrou os papéis da entrega do gás. Ficamos conversando enquanto ele se divertia com meu sotaque espanhol até que o Cozinheiro chegou e praticamente o colocou pra fora... 
Total: 7 clientes satisfeitos. E um total de 13 clientes em plena sexta-feira 13!

Nenhum comentário:

Postar um comentário