12 outubro, 2013

A caminho do estágio (dia 14.08)

Cozinhando com o coração

5 dias depois liguei para saber se havia alguma novidade. "Nada até agora, mas vamos continuar a busca." E eu também, perguntando a todos que conhecem melhor a região da Catalunha. Uns dias depois recebo a notícia: "fique tranquila, você ficará na casa da mãe The Chef e você começa no dia 15". Uhuuu! Que ótimo, resolvido! Isso tem custo? perguntei. Fique tranquila e venha antes se possível.  Contei aos meus professores que me parabenizaram: "que ótimo, vai ficar na casa da família e na faixa!" Passei o resto dos dias fazendo malas, praticando desapego e buscando um lugar onde deixá-las. 

Depois de passar raiva na estação de trem pela falta de informação dos tipos e preços de passagem de trem, peguei o 1º disponível pois já estava atrasada para a hora combinada. E não foi uma sábia escolha, pois custou mais caro que o trem (AVE) mais rápido que faz esse mesmo trajeto. Após quase 3 horas de viagem (trem + ônibus + táxi) cheguei na hora do almoço do pessoal. Perfeito, pois estava morrendo de fome. 

The Chef pediu-me para vestir o uniforme e ir para cozinha (não entendi nada, pois começaria no dia seguinte. Mas como eu tinha que esperar os donos da casa onde ia me hospedar, fui). Fiz algumas coisinhas mas a maior parte do tempo foi observar o trabalho. 

Após o serviço ela me explicou todo o projeto (comida com sobrenome -orgânica do produtor tal- Km0, slow food...) do restaurante e... wow! É isso mesmo que quero aprender! Explicou sobre o trabalho e que no mês de agosto não teremos dia de descanso (juro que minha coluna gritou neste exato momento). Mas lembrei dos depoimentos de muitos colegas que já estavam em práticas, que julho e agosto são os meses que mais rendem aos restaurantes, o promissor verão! "Seu serviço começa as 10h30 e acaba as 17h. Voltam às 19h e vão até o restaurante fechar, a hora depende do movimento do dia". "Respire fundo, são só 300h!" era eu tentando me convencer! 

Minutos depois, finalmente fui para a casa dos pais The Chef (onde ficarei hospedada durante o estágio). 5 minutos de caminhada normal até o restaurante, perfeito! Uma boa distância para esse pequeno povoado medieval datado do século XV (como eles contam) de apenas 230 habitantes (segundo o wikipédia). Fui apresentada a minha suíte (que feliz fiquei, meu 1º banheiro próprio desde que cheguei na Europa), fui conhecer a família The Chef e conversa vai, conversa vem, "são 450 euros o aluguel"

Paralisei, emudeci, fiquei branca e não conseguia emitir uma só palavra. Um sonoro puta que pariu ecoou em minha mente, seguido de "isso é muito mais do que eu pagava em Barcelona e antes de eu vir me disseram para ficar tranquila porque ia ficar na casa da família...  aaahhh!" Respirei fundo e fui jantar no restaurante com o pessoal. The Chef me pediu para me trocar e ir para cozinha e eu disse "não, eu começo amanhã, como combinado". E pensei: "estou cansada, passei o dia anterior carregando mala para cima e para baixo e não estou entendendo mais nada, 450..."  Atordoada fui para casa, conheci a família, a horta, a casa e fui dormir preocupada com o valor, mas sem antes escrever para meu professor pedindo ajuda para entender o que estava acontecendo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário