20 novembro, 2012

Arroz integral (o jeito certo de fazer)


1 mês e 18 dias depois de pisar em terras catalãs e a fatal pergunta já ronda essa mente de quem vos escreve: o que é que você está fazendo?
Depois do furor de toda a mudança, o corpo começa a esfriar (literalmente) e tenta se adaptar à toda novidade: clima, pessoas, cultura, comida, idioma, ritmo, dinheiro, estudos, tudo! O desespero por não conseguir acompanhar muito bem as aulas bate (6h direto num novo idioma não é fácil) e por perceber que o ritmo das aulas são bem diferentes do que estamos acostumados no Brasil e o comportamento das pessoas também... Tudo isso tem me deixado louquinha e por um tempo desanimada. O ego e sua fiel companheira, a mente, estão ajudando a enlouquecer, fazendo perguntas do tipo: porque veio tão longe? Tem certeza que quer mesmo mudar de área profissional? Está muito difícil... Tem certeza que vale a pena?
Sinceramente, se vale ainda não sei responder, mas começar do zero está sendo muito divertido e doloroso, mas principalmente divertido! 

Aulas profissionais de cozinha são um mundo a parte e você descobre que tem que largar aqueles vícios de cozinhar em casa (chamam aqui de la manera de las abuelas) e aprender a cozinhar do jeito certo. Só depois você arruma o seu jeito. Pior ainda é você só entender metade do que os professores dizem e dentro dessa metade não entendida, estavam os pontos importantes a serem seguidos... Chegou a um ponto em que determinada aula, no final, pedi socorro ao professor pois não estava mais conseguindo assimilar tanta informação de uma vez. Eu chorava de nervoso, os olhos vermelhos escorrendo lágrimas, mas fingindo que nada acontecia enquanto ouvia atentamente sua explicação. E assim comecei a ver o lado humano daqueles professores que falam tudo correndo e nas aulas práticas nos chamam atenção e impõem limites e regras o tempo todo: eles começaram a me ajudar! Me explicam as 500 mesmas perguntas que faço, me colocam na frente da sala (das aulas teóricas) e ajudam, ajudam muito! Desde então, assumi a situação em que estou: uma forasteira que fez curso de espanhol pela internet e quis aos 29 anos começar tudo de novo bem longe da sua zona de conforto. O orgulho de quem achava que sabia e não queria assumir a dificuldade já andava extrapolando o que suporto de carga emocional. E foi aí que aprendi que humildade com as próprias fraquezas pode lhe render pequenas/grandes recompensas. O ânimo ainda não voltou (conscientemente) mas o foco no que vim fazer, sim.

Formação de Cozinheiro/Chef com especialização em biodietética, intensivo de 9 meses, é isso que vim fazer. O curso é dividido por 3 trimestres, cujo o primeiro além das aulas básicas (manipulação/higiene de alimentos, cozinha básica e pasteleria com muita prática) tem gestão de restaurantes, marketing em hotelaria e introduções de cozinha moderna, cozinhas do mundo, vegetariana, alta cozinha dietética e tecnologias como cozinha molecular e cozinha à vácuo. É um mundo a parte experimentar tanta novidade de uma vez só, mas está sendo ótimo para abrir a mente. E o ânimo retorna toda vez que entramos no mundo da culinária saudável (infelizmente nesse 1°  trimestre é pouco, só uma introdução... mas retorna com mais profundidade no próximo trimestre até o final do curso). 

Mas vamos ao que interessa: receitas!

Receita dedicada ao Chef Mariano Gonzalvo (prof. de Alta Cocina Dietética) que me mostrou que eu fazia arroz integral errado...

Não leiam mais meus post de arroz integral... ou melhor, leiam para saber de seus benefícios, ter uma ideia de tempero mas não façam mais daquela maneira! Antes de desistir, explico:
Choque térmico e qualquer tipo de gordura endurecem a casca do arroz integral. Quanto mais pele ele tem, mais duro (consequentemente, mais demorada sua cocção) e mais sabor ele oferece. Por isso ele deve sempre ser preparado sozinho e se deve acrescentar temperos, preparados em separado, somente no final da cocção. Então, para seu próximo arroz integral, faça o seguinte: 
Lave sem mexer muito a quantidade desejada de arroz integral. Em uma panela, coloque o arroz e cubra com água até preencher 3 vezes o seu volume. Tampe a panela e leve ao fogo. Esquente água para o caso de ser necessário, lembrando da regra do choque térmico. Quando a água estiver alcançando a altura do arroz, prove se já está cozido (ou chegando no ponto). Caso ainda esteja duro, vá acrescentando água quente aos poucos. E saiba que quanto mais um arroz demora a cozinhar, melhor é sua qualidade de integral (mais peles).
Para temperar, aproveitei a receita da aula em que nos foi ensinado a fazer o arroz e que mudei alguns temperos pelos que eu tinha em casa. 

*Obs: vai perceber que, desta forma, seu preparo é mais rápido, mais bonito e mais saboroso!

Arroz cremoso de abóbora

Para 200g de arroz (cru) integral:
1 xícara (cheia) de abóbora em fatias finas
2 dentes de alho picadinho
1 colher (sopa) cheia de folhas de alho poró picadinho
sal
azeite
sementes de abóbora   

Enquanto cozinha o arroz, primeiro prepare a abóbora. Aqueça um pouco de azeite e refogue as fatias até quase dourarem. Acrescente água até cobrir, coloque um pouco de sal e deixe  até as abóboras amolecerem para fazer um purê (deixe secar a água).  Quando estiver pronto, amasse bem na panela mesmo e tempere a gosto. 



Enquanto isso, prepare o sofrito (como eles chamam aqui os temperos preparados separadamente para acrescentar depois a um prato). Em uma frigideira, refogue o alho e o alho poró no azeite (só tendo o cuidado de não deixar queimar o alho) e reserve. 

Quando a água do arroz estiver alcançando o arroz e você já provou e se certificou que está cozido, acrescente o tempero, sal a gosto e misture. Deixe a água secar e acrescente o purê de abóbora. Misture bem, certifique-se se precisa de mais tempero e prontinho! Toste as sementes de abóbora (como na receita de salada de feijão branco) e decore o prato com elas. Bom, elas dão um gosto especial, garanto. 

Buen provecho!

Um comentário:

  1. Raquel, toda energia positiva pra você aí..tire o maior proveito possível desse pequeno período (sempre dá saudade desses passados "difíceis" depois..tudo fica engracado). Vou aproveitar também através das dicas e receitas novas hahaha. Beijos!

    ResponderExcluir