26 julho, 2012

Tagliarini tailandês (versão vegan)

" La salud es algo más que no tener una enfermedad y hay muchos factores que determinan la salud."



"A recompensa dos alimentos é o nível de sedução que este tem, essa é a sua forma de lhe fazer come-lo mais. Um alimento apetitoso é o conceito relacionado ao prazer adquirido na ingestão de um alimento. É de senso comum que se uma comida o atrai pelo visual e é gostosa, você irá comer mais e pode, inclusive, comer mesmo quando não está com fome. As refeições dos nossos ancestrais eram mais simples. 

Há poucos séculos atrás, não existiam os fornos modernos, as despensas e muito menos havia azeite para cozinhar, edulcorantes ou sal. Com certeza não havia sucos açucarados, barras de chocolate ou batatas fritas. Só comiam alimentos completos e isto ajudava os mecanismos de controle do apetite a agir de forma correta, de forma que se ajustavam o nível do que era ingerido e o gasto de energia sem esforço.

Não vou entrar em detalhes do mecanismo, mas se um alimento é muito agradável, ele modifica o mecanismo de controle de apetite fazendo o possível para que se coma mais e que se acumule mais gordura corporal  do que se esse alimento fosse preparado de forma mais simples. 

Nos Estados Unidos e também no mundo todo, estamos cada vez mais rodeados de alimentos ricos em calorias e muito agradáveis ao paladar e, também, as campanhas publicitárias fazem com que cada vez mais queiramos come-los. Comemos menos comida caseira do que antes e terceirizamos a preparação das nossas refeições à profissionais que ganham mais maximizando a recompensa e o prazer de cada alimento."

Trecho da entrevista de Stephan Guyenet, um excelente pesquisador dos canais neuronais de recompensa que se ativam ou desativam ao ingerir determinados alimentos.  Na segunda parte da entrevista, ele fala das suas pesquisas sobre obesidade, explica o papel da insulina na obesidade e na diabete, o papel das gorduras saturadas nas doenças do coração, etc.  Atenção especial aos novos estudos (e mais realistas) sobre o consumo dos açucares processados industrialmente. Você vai entender porque está ficando velho internamente cada vez mais cedo, mesmo sendo magro ou aparentemente saudável ;)

Tagliarini tailandês (adaptado) da Chef Chloe Coscarelli 

A receita original está no site da Chloe, em inglês.

200g de tagliarini 
1 unidade de brócolis japonês (lave e corte em pedacinhos, ou pequenas "árvores")
4 colheres (sopa) de açúcar mascavo 
Suco de 1 limão pequeno inteiro (antes, corte algumas fatias finas para decorar)
4 colheres (sopa) shoyu
3 cebolas (pequenas) cortadas em fatias (meia lua) bem finas (ou 1 e 1/2 cebola grande);
1 dente de alho (grande) picadinho;
Azeite
Salsinha fresca picada (a gosto p/ enfeitar)
Castanha de caju ralada e tostada (mais ou menos 1/2 xícara)

Leve ao fogo uma panela com água e sal, quando ferver, coloque o macarrão. Coloque generosas pitadas de sal e relaxe que parte desse sal vai evaporar com água. Mas ao fazer isso, você melhora o gosto da massa e com o tempo, você pega qual é a sua quantidade de sal. Nos últimos minutos do cozimento, coloque o brócolis. Desligue o fogo, escorra, lave com água fria e escorra novamente. 
Numa tigela, coloque o açúcar, o suco de limão e o shoyu. 
Numa frigideira grande, aqueça um pouco de azeite e refogue as cebolas até ficarem macias, acrescente o alho e refogue mais um pouco. Adicione o molho, misture e adicione o macarrão com o brócolis. Misture até cobrir todo o macarrão com o brócolis. 
Em outra frigideira, aqueça as castanhas raladas, mexendo sempre a frigideira até dourar as castanhas. Não desgrude o olho pois elas queimam rápido.
Finalize o prato (ou numa travessa) com as fatias de limão e as castanhas tostadas. 
Buen provecho!  





Nenhum comentário:

Postar um comentário