08 março, 2010

Torta de arroz com brócolis

 

Uso do Direito
Por Cristovãm Buarque

O mundo moderno tem se concentrado na ampliação do direito das pessoas à propriedade, mas tem se esquecido do direito das pessoas ao uso. Consideramos um símbolo de modernidade o direito de cada pessoa à propriedade de um carro, mas não garantirmos o uso dos carros comprados, que estão eternamente paralisados em engarrafamentos quilométricos que aprisionam seus proprietários – impedidos de usar livremente o próprio tempo – e dificultam ainda o uso dos espaços urbanos, tomados pelos estacionamentos.


A modernidade construiu um mundo com tamanha ampliação da propriedade privada que provocou a redução na possibilidade do uso do espaço público. As ruas não podem mais ser usadas, por causa do risco de assaltos nas calçadas e de engarrafamentos nas vias. O uso dos passeios públicos desapareceu, o costume de caminhar do teatro ao restaurante caiu em desuso.

É preciso deixar claro que o direito à propriedade é um avanço da sociedade humana. Em uma sociedade que não respeita a propriedade, o cidadão perde o direito ao uso dos bens e serviços de que necessita. À medida que a sociedade avança, o direito à propriedade torna-se parte da liberdade individual, garantindo a cada cidadão o acesso aos seus pertences. A ausência do direito à propriedade da terra ou da moradia ameaçaria o uso do solo para a agricultura ou da habitação para a vivência da família. Porém, quando o direito à propriedade aumenta de maneira desproporcional, a sociedade passa a sofrer ameaças ao direito de usar essas propriedades.

A terra precisa ser apropriada para poder ser usada, e não ao contrário, como ocorre hoje: o uso do direito impedindo o direito ao uso. Ao longo dos séculos, os latifúndios improdutivos foram – e continuam sendo – exemplo do uso do direito para impedir o direito ao uso da terra por parte dos trabalhadores e de toda a sociedade, que precisa dela para aumentar a produção agrícola.

O Nordeste tem sido um exemplo de como a água escassa pode terminar apropriada por poucos, o que pode impedir seu uso por todos. A crise ambiental pode fazer com que essa realidade de escassez se espalhe por todo o mundo. A depredação do meio ambiente é um exemplo da importância que damos ao direito à propriedade, com a redução do direito ao uso dos recursos naturais do planeta. O aumento do poder tecnológico chegou a tal ponto que a Terra foi apropriada e está sendo depredada. Isso impedirá seu uso, no futuro, pela humanidade. As gerações atuais agem como donas do planeta, e impedem o uso dos recursos da Terra pelas próximas gerações.

Um exemplo da privatização do direito ao uso está no alto custo das campanhas políticas, e no seu financiamento por grupos econômicos. A participação social fica restrita; o povo fica excluído; as decisões são tomadas por poucos; as informações são divulgadas por uma mídia que está, em grande parte, apropriada por grupos econômicos e até pelos governos. Os partidos se apropriam da atividade política, e a mídia escolhe os candidatos que serão prestigiados.

A realidade está mostrando que, quanto mais o direito à propriedade avança, mais recua o direito ao uso. Por isso, respeitando-se o princípio básico do direito à propriedade, a sociedade precisa se dar conta de que tão importante quanto o uso do direito é o direito ao uso. E de que este é condição fundamental para garantir a eficiência, o exercício da democracia, a justiça social e o equilíbrio ecológico.
Fonte: http://www.paraibaonline.com.br/coluna.php?id=83

 

Torta de arroz com brócolis

Massa:

3 xíc. (chá) arroz cozido
2 xíc. (chá) leite
1/2 xíc (chá) azeite
3 ovos
50g queijo parmesão ralado
1 xíc (chá) farinha de trigo
1 col. (sopa) fermento em pó
sal e pimenta a gosto

Bata todos os ingredientes no liquidificador até formar uma mistura homogênea.

Recheio:

1 maço de brócolis cozido

2 dentes de alho amassado
sal e pimenta branca a gosto
azeite


Frite o alho no azeite. Quando começar a dourar, junte o brócolis e misture bem. Adicione o sal, a pimenta e cozinhe em fogo baixo até começar a grudar. 


Preparo da torta: Unte uma forma c/ manteiga. Despeje metade da massa, o recheio, e o restante da massa. Leve ao forno médio pré-aquecido por 35min ou até assar (confira com palito) e dourar a massa. 


Bom appétit!

3 comentários:

  1. a postagem está uma maravilha. feliz nosso dia

    ResponderExcluir
  2. eu provei e aprovei... :D
    delícia para demais degustações podem me convidar!!:)

    ResponderExcluir
  3. Adorei a receita dessa massa! Fiz ontem e aprovei!

    ResponderExcluir